Atendimento: [14] 3402-3300

Em abril o menor índice de excluídos do SCPC da Acim

Reinaldo Miguel, diretor da associação comercial, fala sobre a inadimplência no comércio de Marilia

Levantamento do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília apresenta pelo primeiro quadrimestre do ano, 22,10% de pessoas a menos, no comparativo com o mesmo período do ano passado, que foram incluídas ao banco de dados da entidade, diante de 41,22% menos pessoas que saíram da lista de inadimplentes no comércio em geral. “Isso é preocupante em virtude de que o universo de pessoas com poder de compra no varejo não está sendo ampliado”, disse em tom de preocupação o presidente da associação comercial mariliense, Adriano Luiz Martins, ao observar os levantamentos mensais do órgão de consulta sobre o crédito do comércio varejista. “Talvez seja o reflexo de um comportamento estranho que o comércio está vivendo, diante das incertezas econômicas e políticas”, opinou o dirigente que está como vice-presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), simultaneamente.

De acordo com os número apresentados no comparativo do quadrimestre deste ano, foram incluídas ao banco de dados do SCPC da Acim 6.165 pessoas, que passaram a ter restrição de crédito em todo o território nacional, pelo fato do sistema ser nacionalizado. No ano passado, nos primeiros quatro meses do ano, foram impedidas de comprar a crédito: 7.914 pessoas, ou seja, 22,10% a menos este ano. “Por um lado essa informação é boa, porque mostra menos pessoas com problemas cadastrais”, disse o segundo tesoureiro da diretoria da associação comercial, Reinaldo Miguel, ao observar os números. “Isso se o comércio estivesse num ritmo forte e frenético, o que não está acontecendo”, acrescentou. “Como o otimismo é pequeno, pode demonstrar menos gente comprando”, reforçou ao ter dúvidas dos reais motivos dos números apresentados.

Quanto aos excluídos do banco de dados do SCPC da Acim, os comparativos também são bem diferenciados, e segundo o dirigente da associação comercial mariliense se observa 6.206 pessoas que saíram da “lista negra” do comércio varejista no quadrimestre do ano passado, diante de apenas 3.648 pessoas retiradas da listagem este ano, ou seja, 41,22% a menos na comparação. “Somente no mês de abril deste ano foram 75,61% a menos de pessoas que saíram do SCPC da Acim”, disse em tom de surpresa Reinaldo Miguel ao lembrar que normalmente neste mês do ano acontece a preparação para as vendas do Dia das Mães, o segundo melhor período de vendas do comércio em geral no ano. “Para se ter uma ideia, em abril do ano passado saíram da listagem 3.887 pessoas e este ano foram apenas 948 pessoas”, comparou ao verificar a grande diferença entre um ano e outro.

Hoje para incluir e excluir um consumidor no banco de dados do SCPC da Acim não é complicado e nem demorado, no entanto, esta ferramenta ajuda o lojista a se proteger da inadimplência. “Uma venda as cegas é um risco muito grande que não vale a pena”, ensinou Reinaldo Miguel com larga experiência no comércio. “Ao vender a prazo é preciso reunir o máximo de informação possível do cliente, isso só ajuda a ter um risco menor em perder o produto e deixar de receber o valor correspondente”, comentou ao sugerir que sempre se consulte o SCPC da Acim antes de vender a prazo e mantenha as informações atualizadas incluindo e excluindo pessoas da listagem.

Em abril o menor índice de excluídos do SCPC da Acim
Avalie esta postagem

Seja um associado

Independente do porte e segmento da sua empresa, na ASSOCIAÇÃO certamente existe um benefício perfeito para vocé

Dúvidas?